Margarina… a manteiga dos pobres!

Junte sebo e óleo, aqueça ambos juntamente com leite, crosta de pão, erva de artemísia e cebola picada e obtém um substituto da manteiga. Esta receita para a preparação de manteiga artesanal foi comprada em 1864 pelo magistrado da cidade de Frankfurt.  



Havia uma preocupação geral com a gordura que os súbditos podiam espalhar no seu pão. A manteiga era cara, nem sempre disponível em quantidades suficientes, rapidamente se tornava rançosa e muitas vezes tinha um sabor repugnantemente desagradável devido a falhas de produção e conservação.



Encontrar outra "manteiga" artificial que mesmo as "classes necessitadas da população" pudessem pagar, e que fosse mais durável do que a manteiga comum, para que pudesse também ser usada para alimentar os soldados no mar e no campo, foi uma tarefa gratificante que sempre desafiou os funileiros e inventores mais duvidosos da altura.



Mesmo os químicos, boticários e técnicos, que se aventuraram hesitantemente na ciência moderna, assumiram a causa e tentaram aplicar os seus novos métodos na produção da tão desejada manteiga. 



O grande salto na longa procura aconteceu em 1869, quando o governo francês realizou um concurso que foi ganho pelo químico Mége-Mouribs. Tinha observado os processos naturais envolvidos na formação da manteiga e depois experimentou com eles até os conseguir imitar tecnicamente. 



O processo por ele desenvolvido deveria dar origem a um novo ramo da indústria: Primeiro, o sebo de bovino ou gordura de rim de animais que tinham sido abatidos, o mais fresco possível, foi derretido, clarificado e depois os componentes sólidos - estearina e palmitina - foram separados. 



Mége-Mouribs misturou esta "óleo margarina" com leite, acrescentou o úbere de vaca esmagado dissolvido em água e despejou tudo num barril para ser queimado como habitualmente. Após algum tempo foi formou-se uma pasta espessa, água e "leitelho" foram separados - e pronto estava uma massa agradável e creme uniforme creme pronto para barrar pão!



Mége-Mouriés chamou-lhe "margarina", porque de acordo com um decreto do Conselho de Saúde francês, não era permitida a sua venda como "manteiga".



Se no início a margarina era de qualidade muito duvidosa e inferior, mas melhor do que a manteiga rançosa e aquosa, também poderia ser armazenado por um periodo de tempo mais longo, o que terá sido uma primeira alavanca para a produção industrial.



Em poucas décadas, o que tinha começado como uma fábrica de margarinas primitivas tinha-se desenvolvido em enormes complexos industriais; e nos anos 30 surgia a UNILEVER como grande produtora da margarina.



A produção industrial


A margarina, um produto artificial sem tradição ou história, tinha-se tornado o motor da industrialização no fornecimento de alimentos. Foi aqui que muitas tendências começaram por tomar forma que se iriam estabelecer noutros campos muito mais tarde. É claro que a margarina era uma criança típica da idade industrial. Ao contrário da manteiga, a margarina produzida industrialmente parecia ser feita à medida para satisfazer as necessidades de um sector industrial em crescimento.



O novo produto foi utilizado para fornecer aos trabalhadores das grandes cidades as gorduras para barrar necessárias. Era mais fácil de armazenar e transportar, sendo por isso também adequado para rotas de distribuição mais longas, que se tornaram necessárias no decurso da urbanização e do êxodo rural. 


Erguidos os edifícios, sem a necessidade de longos processos de adaptação, como na agricultura, as fábricas de margarina conseguiram responder aos novos desafios de alimentar uma grande população urbana no final do século XIX. 


Não foram apenas estas condições estruturais favoráveis que impulsionaram a indústria de margarinas. Os seus chefes de fábrica, e mais tarde até químicos especialmente contratados, melhoraram a qualidade dos seus produtos passo a passo: A margarina sabia cada vez melhor, tornou-se suave, cada vez mais fácil de barrar no pão e mais tarde até enriquecida com vitaminas. 


As empresas gastaram enormes somas de dinheiro para melhorar os seus produtos a tal ponto que não só eram adequadas como substitutos da manteiga para os pobres, mas também se tornaram cada vez mais atrativas para as classes médias. 


Gradualmente os fabricantes de margarinas conseguiram sacudir o cheiro do produto artificial barato; e aprenderam, muito antes de se tornar comum na indústria alimentar, a fazer uso do poder de nomes de marcas inteligentemente escolhidos. "Butterine", "Sanella", "Sana", "Rahma" “Vaqueiro”, cortejaram donas de casa. O mero substituto da manteiga tinha-se tornado um concorrente sério, evoluindo cada vez mais para um alimento distinto por direito próprio. 


Mas o esforço para melhorar constantemente a qualidade da margarina e expandir as suas vendas rapidamente atingiu os seus limites - não havia matéria-prima suficiente. No início, quando processavam apenas gorduras animais, as fábricas tinham de confiar no que sobrava de resíduos contendo gordura de muitos pequenos matadouros - demasiado pouco e muitas vezes inutilizável para fazer o tipo de sebo "premier jus", de melhor qualidade, que era necessário para uma boa margarina na altura. 


A situação abrandou quando, na América longínqua, a produção e transformação de carne foram também atingidas pela revolução industrial e foram construídos gigantescos matadouros mecanizados, ferrovias, congelação e tecnologia de refrigeração.


As gorduras brutas eram até então processadas do outro lado do Atlântico e entregues em barris às fábricas de margarina. 



Isto mudou em 1902, quando o químico alemão Normann fez uma invenção revolucionária que aumentou o acesso à matéria-prima. A altas temperaturas e com a ajuda de um catalisador de níquel, conseguiu ligar átomos de hidrogénio a ácidos gordos.  Isto significava que as gorduras líquidas podiam agora também ser convertidas no estado sólido e de repente tanto as várias gorduras vegetais como o óleo de baleia estavam acessíveis como matérias-primas para a indústria. 



Ao contrário do sebo e do olio, havia mais do que suficiente destas gorduras líquidas, que anteriormente tinham sido em grande parte inutilizáveis. As fábricas de margarina alemãs, contudo, a quem Normann ofereceu o seu agora patenteado processo de "tingimento de gordura", não reconheceram a sua imensa importância económica. 



Com astúcia, intriga, muito dinheiro e de uma forma rotunda, o English Lever Group assegurou os direitos de utilização do processo de têmpera de gordura de Normann. Jurgens e Van den Bergh não hesitaram em comprar imediatamente licenças para esta inovação técnica revolucionária. 


Agora podiam oferecer a sua margarina muito mais barata do que antes, e apenas alguns anos mais tarde os alemães estavam quase exclusivamente a comer os produtos das grandes fábricas holandesas. Nos anos 1930, quando eles próprios foram engolidos pelo Grupo Lever, o gigante das margarinas representava 75% da produção mundial de margarinas. 
by LeChef/MyFoodStreet2021


 
 
 
 
 

 

O Vinho do Porto... marca nacional!
 
A grande ilusão do jardim da natureza...
 
O doce negócio do vicío...
 
O Vinho Verde, regional e só nosso... as provas...
 
À mesa em Roma...
 
Histórias de falsificadores e intrujões
 
O Vinho... uma parte da história.
 
A Cerveja... uma história de papas...
 
A Margarina... Manteiga dos pobres...
 
O Azeite uma dádiva dos deuses!
 
O Molho Inglês, no segredo dos deuses!
 
O código “E”, o pão nosso de cada dia!
 
A CULINÁRIA no Antigo Testamento, celebrações biblícas!
 
A gastronomia na História, séculos de descoberta!
 
O café, uma viagem longínqua! 
 
Espargos... uma história secular!
adv/pub

 

AliExpress WW   Floryday WW   TAP Air Portugal WW                      

Pub

 

Pub

  

 

AliExpress WW

Pub

 

TAP Air Portugal WW

 

 

 

 

Procure empresas e marcas:
 
 

AliExpress WW

Pub

Pub


 

 

Floryday WW